novembro « 2011 « Bem-vindo a bordo!

Archive for novembro, 2011

A calmaria, que segundo nos ensinam os livros de história provocou o desvio da esquadra de Cabral e a trouxe a costa do Brasil, ainda não apareceu. Como não há mais ilhas desconhecidas neste nosso mundo para serem descobertas, Dorival e Catarina se concentram na estratégia traçada para minimizar o tempo na ITCZ e sair do outro lado numa posição favorável para arribar no rumo de Salvador.
João

30 de novembro de 2011
17:00 UTC

Posição: 08º 48′.80 N    
                   24º 08′.79 W

Navegação:

Rumo  =  175º
Velocidade =  5 nós 
Milhas Navegadas = 126 milhas nas últimas 24 horas  
Distância p/destino = 1670 milhas para Salvador. Valor corrigido. Hoje notei um erro no posicionamento do waypoint de Salvador, que estava mais de cem milhas ao sul

Meteorologia:

Vento = 15 nós de ENE
Ondas = 2,0 m ENE 10 seg e marulho de fundo de SE 1,0m 15 seg 
Temp. do ar = 27ºC (10:00 local)
Temp da água  = 27,6ºC
Pressão Barométrica = 1010 hPa (estável)
Céu claro com nuvens esparsas

Previsão do Tempo: (próx. 24 horas): vento ENE 10 a 15 nós e ondas 2,2 m 10 s
OBS: Ontem ouvia bem o CasaGrande e o Green Nomad no SSB, mas eles não me ouviam. Até o momento, não usamos o motor. Consumimos 5 litros de gasolina no gerador Honda

Estratégia: Vamos direto para Salvador. Nosso rumo é para o ponto 4ºN 23º30’W, para ficar em uma melhor posição quando entrar o vento SE depois da ITCZ

Comentários: Estamos no quarto dia de viagem. Nos primeiros dias, nós nos cansávamos para fazer qualquer coisa, parecia que tínhamos, de repente, muitos anos a mais nas costas, pelo esforço por conta do balanço do mar. Depois de alguns dias assim, já estamos mais dispostos, nos acostumamos até a dormir com os solavancos das ondas. Assim deve se sentir uma tartaruga dentro de seu casco protetor. Nos ambientamos ao meio.
Por enquanto, seguimos velejando, só com a genoa. Pelo que nos informaram os comandantes de navios que estão em sentido contrário, na mesma rota que nós, deveremos ter apenas chuvas de curta duração pela frente, e esse mesmo vento.
Se você acuar um animal num canto, por melhor que seja a índole dele, ele vai reagir para defender-se, certo? Pois assim reagiu a nossa criança-moça, ao ser abusada pelos fora-da-lei na floresta. Num momento de distração de seu algoz, pegou a sua faca e cravou-lhe na garganta. Sem completar o serviço, colocou-se em fuga. O crime foi descoberto e ela passou a ser perseguida pelo seu dono, que a alcançou na ponte que dava acesso à cidade. Eis que uma tragédia aconteceu, e a ponte ruiu sob o peso das últimas chuvas. Mais uma vez, a moça luta por sua sobrevivência no rio, o que significa também, livrar-se definitivamente de seu dono. Mais um crime. Mas, acabar com um fora-da-lei não é crime na época e, a princípio, ele teria se afogado.
Nesse meio tempo, o soldado fugitivo, que foi aceito no monastério, ajuda no resgate das vítimas

Catarina

29 de novembro de 2011
17:00 UTC

Posição: 10º 46′.42 N    
                   24º 36′.03 W

Navegação:

Rumo  =  175º
Velocidade =  6 nós 
Milhas Navegadas = 132 milhas nas últimas 24 horas
Distância p/destino = 1804 milhas para Salvador

Meteorologia:

Vento = 20 nós de ENE
Ondas = 2,5 m NE 10 seg e marulho de fundo de SE 1,5m 15 seg 
Temp. do ar = 25ºC (10:00 local)
Temp da água  = 27,1ºC
Pressão Barométrica = 1010 hPa (baixando lentamente)
Céu claro com nuvens esparsas

Previsão do Tempo: (próx. 24 horas): vento ENE 12 a 20 nós diminuindo e ondas SE 2,2 m 11 s
OBS: Ontem falamos com os veleiros Casa Grande (em Bracuhy – RJ) e o Zureta (em Porto Belo- SC). A propagação não estava muito boa. O melhor horário é 20:30 hs UTC. Com o mar um pouco mais calmo pudemos aumentar um pouco a velocidade

Estratégia: Vamos direto para Salvador. No momento nosso rumo é para o ponto 4ºN 23º30’W, para ficar em uma melhor posição quando entrar o vento SE depois da ITCZ

Comentários: Fez 37º C ontem à tarde, é muito calor! Vamos levando, com banho frio e sopro de ar para dentro do barco.
À noite, escutamos algumas brincadeiras no VHF, com imitação de bichos e conversas rápidas, em uma língua desconhecida. Ficamos de olho lá fora, e nada vimos. Neste mundo de hoje, e no de ontem, os piratas são os reais perigos do mar. Pela manhã, o AIS mostrou alguns cargueiros ao largo, devem ter sido eles os autores, no turno em que o capitão foi descansar.
A nossa grande expectativa é pela entrada na região dos doldrums, esperada para amanhã. Teremos chuva com raio? Ou passaremos na boa, com um ventinho?
Sabem aquelas crianças que presenciaram uma luta na floresta? Uma delas era uma menina de origem humilde, cujo pai tinha dificuldade de encontrar trabalho por ter uma das mãos cortadas, na punição por roubo. Ele obrigava os filhos pequenos avcometerem furtos no meio da multidão; estes cumpriam suas ordens por temor aos castigos impostos. Aos 18 anos, a menina tornou-se uma moça feia, sem atrativos físicos, o que dificultava arranjar-lhe casamento. Ela foi acompanhar seu pai numa feira em que o mesmo pretendia comprar uma vaca, para passar o rigoroso inverno, mas só tinha algumas peles de animais para trocar. Eis que surge uma chance fazer o escambo pela filha. Um grupo na multidão passa a discutir se ali poderiam ser vendidas pessoas, até que o administrador concluiu que nada impediria, pois os pais tinham total poder sobre os filhos, e ambos no negócio estavam de acordo. A moça é levada de pés e mãos atados para dentro da floresta, no acampamento dos fora-da-lei, onde a intenção de seu dono era prostituí-la.
A civilização ocidental evoluiu neste aspecto. Os países têm hoje regras na lei para obrigar pais a darem assistência e escola aos filhos, sob pena de perderem sua guarda. Na prática, em muitos lugares, entretanto, “no pása nada”. O mar é menos duro que essa realidade, de ontem e hoje, não é não? Calma, pessoal, a estória não termina aí…

Catarina

28 de novembro de 2011
17:00 UTC

Posição: 12º 42′.55 N    
                   24º 42′.98 W

Navegação:

Rumo  =  175º
Velocidade =  5 nós 
Milhas Navegadas = 107 milhas nas últimas 24 horas
Distância p/destino = 1936 milhas para Salvador

Meteorologia:

Vento = 15 nós de E
Ondas = 2 mts NE 10 seg e 1,5 mts SE 15 seg 
Temp. do ar = 25ºC (10:00 local)
Temp da água  = 26,7ºC
Pressão Barométrica = 1012 hPa (estável)
Céu claro com nuvens esparsas

Previsão do Tempo: (próx. 24 horas): vento ENE 10 a 18 nos e ondas de NW, SE de 2 m 11 s
OBS: Ontem falamos com o Green Nomad, que está em Parati. Estamos todos os dias em 13.983 khz, USB, às 20:30 e 21:00 hs UTC
MIROCA, CADE VOCÊ? LIGUE O RÁDIO!

Estratégia: Vamos direto para Salvador. No momento nosso rumo é para o ponto 4ºN 23º30’W, para ficar em uma melhor posição quando entrar o vento SE depois da ITCZ

Comentários: A noite passada ventou bastante e o mar ficou desencontrado; há uma corrente contra de 0,5 nó que deve estar contribuindo para tumultuar o pedaço. Então, foi mais uma noite de muito chacoalhar a bordo. Mas, o que tem judiado mesmo é o calor, de tirar até a fome. Calma, mãe, que estou comendo bem! Até que uma boa idéia do Dorival surtiu efeito: colocar uma vela tipo morcego na gaiuta de entrada, que joga o ar fresco para dentro. Maravilha! Idéia que rendeu ao autor muitos beijinhos.
Hoje foi dia de limpeza. Há quem considere que no mar não há poeira e, por isso, o barco se mantém limpo. Mas, mesmo que o vento não traga areia ou poeira pelo ar, o que não é uma regra em Gibraltar e a 200 milhas da costa da África, a própria atividade humana cuida de sujar o ambiente, no ato de cozinhar, se alimentar, se banhar, etc… Então, o negócio é arregaçar as mangas! Usar um pano com álcool ou desinfetante não mata ninguém!
Nos idos de 1.300, época em que viviam os protagonistas da novela que venho contando, o hábito de higiene da grande maioria da população era tomar banho completo por, no máximo, duas vezes por ano, pois consideravam que ele fazia mal. Então, lavavam uma vez por dia o rosto e as mãos. As partes íntimas, uma vez por semana; trocar a roupa do corpo, também. Temos notado que alguns cruzeiristas, vindos de países frios, ainda têm seus temores com relação ao banho completo, e à troca de roupa.Os índios brasileiros têm por hábito banharem-se várias vezes ao dia, e são os seres humanos mais saudáveis e integrados à natureza que conheço. Será que o velho mundo não teria nada a aprender, neste aspecto, com o novo?
E hoje é dia de aniversário. Aquele abraço ao Pedro Pinto, da Ilha Terceira nos Açores!

Catarina

27 de novembro de 2011
17:00 UTC

Posição: 14º 22′.56 N    
                   24º 54′.91 W

Navegação:

Rumo  =  175º
Velocidade =  5 nós 
Milhas Navegadas = 116 milhas nas últimas 24 horas
Distância p/destino = 2043 milhas para Salvador

Meteorologia:

Vento = 10 nós de E
Ondas = 2 mts NE 10 seg
Temp. do ar = 25ºC (10:00 local)
Temp da água  = 26,6ºC
Pressão Barométrica = 1012 hPa (caindo devagar)
Céu claro com nuvens esparsas

Previsão do Tempo: (próx. 24 horas): vento ENE 10 nos ondas SW e SSW 1,7 m 11 s
OBS: o vento durante a noite e hoje de manhã estava mais forte que o previsto

Estratégia: Vamos direto para Salvador. No momento nosso rumo é para o ponto 4ºN 23º30’W, para ficar em uma melhor posição quando entrar o vento SE depois da ITCZ

Comentários: Entramos num outro clima: ontem, a temperatura do ar alcançou os 33º C às 15 horas local, e hoje apareceu o mar de sargaço, cheio daquela alga marrom que adora se enroscar em isca de pesca. Bom para carregar as baterias, e para encarar o banho frio.
A noite foi de vigília, por conta de eventuais barcos de pesca circulando entre as ilhas do arquipélago, do vento de 20 nós, em média, e do mar alto. A situação só foi ficar calma agora a pouco, quando saímos dos efeitos causados pelas ilhas nas ondas e no vento. Incrível, saímos do vento de popa para a orça, vamos ver até quando isso vai. Espero que esta seja uma boa noite de sono.
Sem mistérios, nem rodeios, vamos continuar com a estória do fugitivo das forças leais à rainha, um soldado medieval de elite, que ferido seriamente no braço na luta para defender-se, procura socorro em um monastério, e pede para ser recebido como noviço, aspirante a monge. A medicina da época considerava que o mal estava dentro do corpo, e os tratamentos eram sangrar a vítima, ou deixar, como nesse caso, que o mal saísse na forma de pus, sem nenhuma medida anti-séptica. Resultado: o nobre soldado perde o braço ferido, que teve que ser amputado.
O que todos se perguntam é: o que faz um soldado real, no vigor de seus 25 anos de idade, querer tornar-se um monge? O mistério continua…

Catarina

“Mas pode ficar tranqüila, minha poesia
Pois nós voltaremos, numa estrela guia
Num clarão de lua quando serenar”
Viagem – João de Aquino e Paulo César Pinheiro

A proa ainda não está exatamente na direçao da costa brasileira mas o pensamento já sonha com acarajés e cocadas no pelourinho. O Luthier partiu de Cabo Verde para uma longa travessia até Salvador. Vamos acompanhar daqui os seus relatos.
João

26 de novembro de 2011
17:00 UTC

Posição: 16º 15′.72 N    
                   25º 03′.97 W

Navegação:

Rumo  =  175º
Velocidade =  5,5 nós 
Milhas Navegadas = 43 milhas nas últimas 8 horas
Distância p/destino = 2159 milhas para Salvador

Meteorologia:

Vento = 20 nós de ENE
Ondas = 2 mts NE 10 seg
Temp. do ar = 24ºC (10:00 local)
Temp da água  = 25,3ºC
Pressão Barométrica = 1014 hPa (caindo devagar)
Céu claro com nuvens esparsas

Previsão do Tempo: (próx. 24 horas): vento NE a ENE 15 nós e ondas N a NE 2 metros 10s
OBS: o vento e as ondas estão conforme o previsto. Como antes de chegar a Cabo Verde, durante a noite os ventos aumentavam, vamos navegar só com genoa

Estratégia: Vamos direto para Salvador

Comentários: Há verde no Arquipélago de Cabo Verde, não exatamente na ilha em que estávamos – São Vicente, esta bastante árida; mesmo assim, vimos ali roças irrigadas. Nas outras ilhas há produção familiar de banana, papaya, laranja, legumes, raízes e verduras, mas não há gado em escala, e as opções de carne nos talhos (açougues) são limitadas. Os produtos industrializados vêm, via de regra, de Portugal, e a moeda é o escudo caboverdeano (1 real para 55 escudos), mas são independentes. A língua oficial é o português, mas, na prática, falam uma espécie de “creole” entre eles, do qual não se entende nada.
O Arquipélago vive problemas de desemprego e violência, em parte gerada pelo fluxo de imigrantes do Senegal e outros países da África. O assédio é grande pelas ruas de Mindelo, pedem dinheiro ou o que você estiver levando nas sacolas de compra. Na noite retrasada, houve um caso de roubo de pertences de um veleiro atracado na marina, e pela manhã a polícia estava por lá, para averiguar. É uma pena, porque as pessoas de Mindelo são simpáticas, sorridentes, e cultas, acima da média da África, além disso, a comida é boa, e barata, lá não somos “tapeados” (aquele a quem são servidas as “tapas” espanholas).
Parece que saímos numa boa janela de tempo, estamos velejando com vento de través e o mar não está tão alto como no dia em que chegamos em Cabo Verde.
Nem bem saímos e cometemos um quase crime – pegamos um pequeno, quase mini-dourado. Amanhã vamos trocar a rapala por outra menos atrativa, mas maior, vamos ver no que vai dar

Catarina

Amanhã, sábado, 26 de novembro, planejamos sair de Cabo Verde com destino ao Brasil.
Nos poucos dias em que aqui ficamos, só trabalhamos: reposição do gás de cozinha, da gasolina para o gerador e manutenção do equipamento, costura da vela, compras de provisões, etc…Ainda me espera uma louça da cozinha, acabei de cozinhar para 3 dias, sim, muitas gororobas para a viagem.
Estimamos fazer a travessia em 18 dias, um pouco mais ou menos, tudo dependendo do vento e da condição de mar. O mar amanhã não vai estar muito fácil, mas a tendência é melhorar.
Agradecemos todas as mensagens de apoio deixadas quando estávamos “fora do ar”, e aos que nos acompanharam.
Falamos mais do Brasil e, antes disso, enviaremos todo dia, por e-mail via SSB, um pouco de bobagem e dados de navegação, que serão publicados pelo João Carlos, do Veleiro Yahgan.

Catarina

Paramos para:

Trocar e reapertar os parafusos que se soltaram do pistão hidráulico do leme?
Não, isso eu fiz no mar e só precisava de uma revisão para ver se ficou em ordem;

Reparar um pequeno rasgo de 10 cm na vela mestra?
Não, eu tenho material a bordo para fazer isso e poderia ser feito no mar;

Repor o estoque de gasolina para o gerador?
Talvez, com o Sol no hemisfério sul, eu previ que haveria um consumo maior de gasolina no gerador. Durante a passagem de Saint Marteen até Flores usamos 5 litros, comprei 25 para esta travessia. O problema é que o rumo do barco faz com que os painéis solares ficassem na sombra das velas depois das 13:00 hs local. Gastamos 15 litros só até aqui. Ponderei com a Catarina que precisaríamos menos do gerador porque usariamos o motor, e temos bastante diesel à bordo;

Acabou o gaz de cozinha?
Sem acordo. Fiz o calculo do gás pelo nosso consumo médio, deveríamos ter 4 kilos mais 2 de reserva. Mas o bujão com os 4 quilos acabou, e dois quilos para ir até Salvador é pouco.

Assim, o bom de não ter compromissos é poder parar, ou não, quando quiser.

Dorival

22 de novembro de 2011
17:00 UTC

Posição: 18º 00′.42 N  
                  24º 32′.40 W

Navegação:

Rumo  =  220º
Velocidade =  4 nós 
Milhas Navegadas = 103 milhas nas últimas 24 horas
Distância p/destino = 2212 milhas para Salvador
OBS: O aumento da distância é por conta do novo rumo por fora das ilhas

Meteorologia:

Vento = 25 nós de NE
Ondas = 3 mts N 10 seg
Temp. do ar = 23ºC (10:00 local)
Temp da água  = 25,1ºC
Pressão Barométrica = 1018 hPa (estável)
Céu parcialmente nublado (20%) sem chuva

Previsão do Tempo: (próx. 24 horas): vento NE a ENE 15 nós firme até 7 N, ondas N a NE 2,5 a 3,0 m 12 s

Estratégia: Vamos direto para Salvador. Logo depois de passarmos por Cabo Verde vamos rumar para o S

Comentários: Já estamos no terceiro dia de mar grosso. A noite passada foi impossível dormir, pelas pancadas das ondas no casco, e pela vigília constante para manter a velocidade do barco sem estressar os equipamentos, e sem atravessar no mar. O clima de apreensão aumentou com um barulho de pancada forte ritmada, vindo do mecanismo de acionamento do piloto automático. Tivemos que esvaziar o paiol de popa para avaliar qual seria o problema; depois de muitas horas, constatou-se que ele era o mais simples possível: os parafusos que sustentam a bomba hidráulica estavam folgados, em consequência da trepidação. O barulho cessou, mas o Dorival não conseguiu mais dormir, pois a adrenalina tinha ido a mil.
Para acalmar os transtornos da noite no mar, nada como um mingau de aveia quente: forra o estômago, sustenta, e a refeição quente aumenta o moral.
Só hoje, com a proximidade de Cabo Verde, conseguimos alguma notícia do mundo, isso faz muita falta.
Vamos liquidar com o mistério: o emissário da carta real pressentiu que o segredo que ela revelava, e ele partilhava, colocava-o em situação de risco, e desencadeou uma fuga, sendo encontrado pelos homens da rainha. A cena que se desencadeou, de tentativa de execução do emissário, foi presenciada por crianças que brincavam escondidas na floresta, que se envolveram para defenderem-se. Por fim, homens da rainha caíram mortos, e a carta é escondida, para assim ficar por 50 anos, ou se algo ocorresse com a vida do emissário: este é o novo segredo, partilhado por apenas 1 criança, e o fugitivo. Novas revelações, só nos próximos capítulos

Catarina

21 de novembro de 2011
17:00 UTC

Posição: 19º 20′.12 N  
                  23º 16′.47 W

Navegação:

Rumo  =  210º
Velocidade =  5 nós 
Milhas Navegadas = 106 milhas nas últimas 24 horas
Distância p/destino = 2237 milhas para Salvador

Meteorologia:

Vento = 15 nós de NE
Ondas = 2,5 mts NE 10 seg combinada com NNW
Temp. do ar = 22ºC (10:00 local)
Temp da água  = 24,4ºC
Pressão Barométrica = 1016 hPa (estável)
Céu parcialmente nublado (50%) sem chuva
Previsão do Tempo: (próx. 24 horas): vento NE 15 a 20 nos ondas NNW 2,5 m 12 s

Estratégia: Manter o rumo para Mindelo. Estamos observando uma depressão que vem do Senegal, agora na posição 13N17W até 9N20W. Se ela ganhar força, vamos parar em Mindelo para esperar passar

Comentários: Vou começar o texto de forma diferente: “HOJE, NÓS PESCAMOS NOVAMENTE”. Dois dourados! O peixe amarelo de bolinhas azuis que virou muqueca e cuscuz. Não eram muito grandes, de 2,5 kg cada, mas fizemos a festa.
No mais, à noite ventão das monções da África, e mar alto, este comum por aqui. No fim da tarde quebrou a anilha que prende o amantilho do pau do balão, que foi engatado diretamente no gato, e seguimos assim.
Vamos ver como evolui uma baixa pressão. Se tivermos que parar em Mindelo, na única marina de Cabo Verde, provavelmente seremos rejeitados, pois ela já está fechada para o Rally Illes du Soleil, o que não parece muito marinheiro da parte destas marinas, que como concessão do estado, deveriam dar guarida a qualquer um do mar.
Ah, o segredo. O mar está balançando para continuar a contar. Posso adiantar que um perigoso segredo gera outros, explico amanhã.

Catarina

20 de novembro de 2011
17:00 UTC

Posição: 20º 47′.57 N  
                  22º 08′.92 W

Navegação:

Rumo  =  210º
Velocidade =  5 nós 
Milhas Navegadas = 100 milhas nas últimas 23 horas (estou antecipando em uma hora a geração do relatório por causa da propagação)
Distância p/destino = 2343 milhas para Salvador

Meteorologia:

Vento = 15 nós de NE
Ondas = 2,0 mt  de NE 10 s
Temp. do ar = 21ºC (10:00 local)
Temp da água  = 23,5ºC (aumentando 0,1 ºC a cada 100 milhas)
Pressão Barométrica = 1016 hPa (estável)
Céu parcialmente nublado (50%)
Previsão do Tempo: (próx. 24 horas): vento NE 15 e ondas de 2,2 NE

Estratégia: Manter o rumo para Mindelo, embora não pretendamos parar lá

Comentários: Hoje, nós pescamos novamente. Pegamos um saco de lixo. Vinha tão pesado que estávamos esperando um atum; chegou para nós ficando mais leve, foi se desfazendo, dele sobrando apenas um pedaço de plástico. Que sacanagem! Vai saber quem jogou…
Nessa rota em que estamos passam poucos navios, a maioria com destino ao Brasil levando carga ou passageiros para os portos de Santos e Recife.
Dia de quase calmaria, não fosse o mar alto destas bandas. Então, dia de por e tirar a mestra, de mudar de lado o pau do balão, de por e tirar asa de pombo, tudo conforme o humor do pouco e sagrado vento. Com tanta ocupação, o dia passa rapidamente.
Sobra tempo para descansar para o turno da noite, quando sempre aparecem umas nuvens baixas de chuva, que não trazem água, mas trazem rajadas de vento.
Hoje foi também dia de começar a desvendar um terrível segredo, contido numa carta real, enterrada em uma caixa em frente a um carvalho numa floresta da Inglaterra. Quem ousar desvendá-lo será, cedo ou tarde, executado. Mas, se eu souber mais ao longo do livro que o descreve, posso até contar, afinal, quem virá atrás de nós no meio deste marzão? Aguardem os próximos capítulos.

Catarina